“Da Maré ao Canindé, inspiração para as periferias”

 “Da Maré ao Canindé, inspiração para as periferias”

DA MARÉ AO CANINDÉ, INSPIRAÇÃO PARA AS PERIFERIAS 
 Exposição fotográfica e literária realizada no Rio de Janeiro, Luanda, Maputo e Lisboa

A exposição “Da Maré ao Canindé: inspiração para periferias” percorre imagens das favelas da Maré, zona norte da cidade do Rio de Janeiro, em diálogo com trechos das obras da escritora afro-brasileira Carolina Maria de Jesus (1914-1977): “Quarto de Despejo: diário de uma favelada” e “Casa de Alvenaria: diário de uma ex-favelada”.

Dos livros de Carolina destacamos temas como despejo, fome, abastecimento de água, direito à moradia, política, família, relações de gênero, educação, racismo e migração nordestina. Dentre as mulheres, moradoras da Maré, destacamos D. Orosina Vieira, primeira moradora do Morro do Timbau; D. Vera Marta, sobrinha de D. Orosina; e a escritora Ana Maria de Souza, primeira poetisa da Maré a lançar um livro. Três mulheres que se destacam por suas trajetórias de vida e também por suas ações de apoio à memória da Maré e seu museu comunitário. Elas são as nossas kotas, as nossas mamanas, as nossas mais velhas.

Miriane Peregrino

Curadoria e Coordenação das Rodas de Leitura

Uma exposição internacional

2014 – Esse trabalho foi um dos resultados das ações da roda de leitura que ocorreu entre 2013 e 2014, no Museu da Maré, com a participação de jovens moradores de diversas comunidades do conjunto de favelas da Maré, Rio de Janeiro. Na galeria do museu, a exposição foi inaugurada em comemoração do centenário da escritora Carolina Maria de Jesus e ficou patente entre 21 de novembro de 2014 a 20 de maio de 2015.

 

2018 – Entre fevereiro e maio de 2018, a exposição foi remodelada em Luanda, capital de Angola – pela primeira vez fora do Brasil. A ação contou com apoio do Centro Cultural do Brasil em Angola e da Embaixada do Brasil em Luanda. E foi com grande alegria que chegamos, em 20 de novembro de 2018, ao Centro Cultural Brasil-Moçambique, em Maputo, para celebrar a Semana da Consciência Negra. 

2019 – Raíza Barros, participante da primeira turma das rodas de leitura iniciadas na favela da Maré em 2013, foi a representante do projeto Literatura Comunica! para mediar nossas atividades no Festival Feminista de Lisboa 2019, em Portugal. A roda de leitura ocorreu no dia 11 de maio na Livraria Devagar e a Exposição ficou patente entre 18 de maio a 2 de junho na Casa Mocambo como parte das atividades do Festival.

Ficha técnica
Curadoria e Coordenação das Rodas de Leitura: Miriane Peregrino
Projeto cenotécnico: Bruno Serpa e Markito Fonseca
Participantes: Alan Lira, Aline Macário, Aline de Moura, Carolina Martins, Everton Ramos, Fabricia Porto, Ingrid Roberta, Jailton Ferreira, Jeferson Luciano, Joyce Rodrigues, Lenon Felipe, Linyker Oliveira, Maria Emilia Vieira, Matheus Frazão, Matteus Costa, Raíza Barros, Wagner Belo, Vitória Lemos.
Fotógrafos convidados: Luiz Baltar, Ludmila Curi, Mario Tama, Marli Damascena, Naldinho Lourenço, Pedro Rebelo/AMM e Ratão Diniz.
Realização e co-produção: Literatura Comunica e Museu da Maré

Related post